Segunda-Feira, 25 de Setembro de 2017

Logo
Logo
Sexta-Feira, 14 de Julho de 2017
POR: Equipe Valle
Ex-presidente do Peru Ollanta Humala é preso devido a caso Odebrecht
Policia

Um juiz peruano determinou a prisão preventiva do ex-presidente Ollanta Humala e sua esposa, Nadine Heredia, por um período de 18 meses nesta quinta (13), enquanto procuradores preparam acusações formais de lavagem de dinheiro contra os dois.

 

O juiz Richard Concepción, que analisa as denúncias de pagamento de propinas e contribuições irregulares no Peru pela Odebrecht, atendeu ao requerimento do promotor Germán Juárez, que argumentou que o casal deveria ser preso antes do jugamento para evitar que eles fugissem ou interferissem na investigação.

 

"Uma ordem internacional de captura imediata foi emitida", explicou o juiz ao anunciar sua decisão.

 

Segundo a agência Reuters, o advogado do casal, Wilfredo Pedraza, afirmou que, apesar de negar as acusações, eles irão se apresentar imediatamente às autoridades. "Eles não estão fugindo. Nunca tiveram a intenção de fugir", garantiu.

 

Em fevereiro, o mesmo juiz ordenou a prisão preventiva do ex-presidente Alejandro Toledo pelos supostos subornos da Odebrecht.

 

O pedido do procurador Germán Juárez, que investiga o casal há mais de dois anos, é fundamentado nas declarações do empresário Marcelo Odebrecht, diretor da empreiteira Odebrecht, que afirmou que entregou US$ 3 milhões para a campanha presidencial que levou Humala ao poder em 2011. Humala governou o país até 2016.

 

Em abril, Odebrecht declarou em Curitiba que apoiou Humala a pedido do PT. Humala nega qualquer contribuição econômica da Odebrecht.

 

Um dos advogados de Humala, Julio César Espinoza, declarou à emissora de rádio "RPP Noticias" que só soube do pedido do promotor "pela imprensa". "Não fomos notificados oficialmente, nem sabemos o conteúdo do requerimento. Estamos atentos para que isso ocorra para analisá-lo e discuti-lo como corresponde na audiência", acrescentou.

 

O advogado disse que seus clientes pedem ao juiz "que atue de maneira imparcial e não influenciado por qualquer pressão" e lembrou que em novembro do ano passado também foi expedido um pedido de prisão preventiva para Heredia, mas o mesmo magistrado o rejeitou.

Propina em 12 países

Em acordo de leniência firmado com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos, derivado das investigações da Lava Jato, a Odebrecht admitiu ter pago em propina US$ 788 milhões entre 2001 e 2016 e a Braskem, US$ 250 milhões entre 2006 e 2014, a funcionários do governo, representantes desses funcionários e partidos políticos do Brasil e de outros 11 países. Para o órgão dos EUA, é o "maior caso de suborno internacional na história".

 

A construtora brasileira pagou propina para garantir contratos em mais de 100 projetos em Angola, Argentina, Brasil, Colômbia, República Dominicana, Equador, Guatemala, México, Moçambique, Panamá, Peru e Venezuela, segundo o Departamento de Justiça dos EUA.